Um espaço italianinho e maluco

Sábado, 17 de Maio de 2008
E Camões ?

No sábado passado tinha corrido uma meia dúzia de livrarias aqui onde moro a procura dos Lusíadas, há varias edições em Língua Italiana, com texto original em português ao lado, mas não encontrei em lado nenhum. Bem ,então esta manha fui para Bolonha, é uma cidade de uns 400.000 pessoas, tem uma das mais antigas universidade do mundo, estudam ali pessoas de todas as nacionalidades, há livrarias internacionais...

Nada !

Nem em português, nem em italiano.

Então não se pode ler  Camões aqui?

Tudo isto é realmente triste.

Fui pela primeira vez a Portugal em 1986, na altura Portugal nem estava na União Europeia, foi preciso mostrar o passaporte na alfandega para puder entrar. Em 1991 comecei a ler algo em português, na altura na livraria internacional "Feltrinelli International" na rua Zamboni, mesmo perto da Universidade, havia vários estantes de livros em Língua Portuguesa, uma boa escolha de todos os clássicos, realmente uma livraria muito bem fornecida de livros portugueses por ser uma livraria italiana. Hoje muita coisa mudou. A secção de livros em português continua ali, mas foi terrivelmente reduzida, para deixar espaço a livros em russo, em romeno e em outras Língua da Europa de leste, a cidade encheu-se de imigrados e não são imigrados portugueses,infelizmente,e sim romenos ,russos ou polacos, e assim já não é possível deixar à literatura portuguesa o espaço que ela tinha em 1991. Uma pena! Importo-me eu com russo e romeno!

Então o que há em português agora nessa livraria?

Há:

Coelho, e depois Coelho, e depois Coelho; Saramago, Saramago, Pessoa...

Duzias de livros de Coelho, que nem é português, é brasileiro, Saramago; que escreve muito bem mas é comunista, e depois Pessoa.

E Camões?

E Castelo Branco?

E Eça de Queiroz?

Não.

Nada.

Mas há todo o Harry Potter em português.

Eu não tenho nada contra o Coelho nem contra Harry Potter, mas se calhar vinham antes  Camões ou Eça De Queroz.

Está a tornar-se um mundo só comercial, já ninguém se preocupa com a cultura, encomendam-se somente os livros mais faceis para se venderem e nos balções,pedindo acerca dos Lusiadas dás com rapazes ou raparigas de 20 e poucos anos, se calhar até licenciados em letras que te perguntam:

Lusiadas...seria o nome do autor?

Mah! Fiquei triste e desiludido com tanto materialismo e tanta falta de cultura e respeito para a Literatura, e estou a falar da LITERATURA, não do Harry Potter....

Mais vale nem pensar nisso....


:

publicado por Il Conte às 17:37
link do post | comentar | favorito

arquivos

Outubro 2010

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

recentes

E Camões ?

Assuntos

a.o.i.

aborrecimento

acordo ortográfico

aktion t4

amizade

amor

anjo mudo

appena prima di partire

arquitectura fascista

asmara

beppino englaro

berlusconi

blackberry

blog

brasil

brasileiros

cacao meravigliao

camões

caprichos

carro

carros

cersaie

cesare battisti

chatice

codigo ladrões romenos

criminalidade

criminosos romenos

crise

democracia

desejo

dinheiro

direito à vida

duce

eluana

eluana englaro

emprego

emprego portuguesinho

eritreia

europa

europa de lepanto

eutanasia

ezra pound

fascismo

federico moccia

felicidade

ferias

flaminio maphia

forças armadas

fragmentos discurso amoroso

futebol

gratidão

hammarberg acorda!

hitler

ho voglia di te

homem estupido

humor

ilusões

imigração sem travões

italia

italia aos italianos

l'aquila

lula

luta à anarquia

luta à criminalidade estrangeira

maluquice

mara carfagna

mulher

mulheres

musica

musica italiana

nautica

officina del tempo

papagaios

perigo imigração

perigo imigrados

perigo romenos

ple

portugal

português língua estrangeira

problema criminalidade

problema romenos

problemas imigrados

racismo

relógios

relogios

rolex

romenos

saudade

saudades

segurança

sonhos

stronza

terrinha

tiziano ferro

trabalho

vida

violencia

violencia contra as mulheres

zero assoluto

todas as tags

links
feeds
pesquisar